sexta-feira, 29 de agosto de 2014

BALUARTE

 
Convicções são baluartes do espírito e nelas ele se apoia para produzir as ações. 
Todas elas têm caráter pessoal, apesar de se originarem em ideias e outras bases encontradas no meio do caminho.
Nada nasce de geração espontânea, e há infinita cadeia mental unindo os seres. 
O que hoje sustenta o espírito é o resultado de inúmeros plantios: não há privilégios, nem propósitos escusos. Tudo é claro e cristalino como a verdade.
Sem certos baluartes, o homem é capaz de sucumbir diante das dificuldades e agressões que a vida física propõe. 
Desde o berço, as noções se formam, fundindo-se à presença acolhedora de outros seres que têm o propósito de dividir e auxiliar.
Todos os grandes pensadores, espíritos de vulto e renomada sapiência estiveram num ninho inicial, precisando resguardo e atenção.
Quando tenhas dificuldade em lidar com determinada pessoa, pensa nela como um bebê inocente e frágil. Assim saberás despi-la das prováveis aparências de superioridade ou aversão.
Todos guardam no íntimo uma criança desvalida, em busca de afeto e compreensão. 
Não é a toa que algumas personalidades ainda recorram ao menino Jesus, em suas orações.

A infância é um período de candura e necessidades básicas de extrema dependência. 
É nessa época que se formam sólidos valores para a vida. 
Os que estão ao redor, com a responsabilidade de auxiliar o crescimento da planta frágil, são os baluartes, os alicerces. 
A eles está incumbido o progresso daquele ser. Entretanto, amigo, o sustento maior vem de Deus. 
Sem ele no pensamento, impossível adentrar os portais do entendimento.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

SENTENÇA

 
Há sentenças de morte na lei dos homens, e sentenças de vida eterna nas leis de Deus. 
A aparente morte física é apenas um transporte para a vida imortal. 
Note-se que nunca há fim, apenas transformação em todos os reinos.
Do mesmo modo deveriam os homens proceder em relação ao seu mundo interno: transformar-se continuamente em direção a elevados objetivos, eliminando as partes obscuras. 
Entretanto, leituras e incentivos não bastam a ninguém. Só a vivência modifica realmente.
É só nadando no mar encapelado e difícil que renovadas forças e pontos de vista são despertados. 
É dentro do cardume que se aprende solidariedade. 
As braçadas em direção à verdade seriam inúteis sem a busca em comum, o esforço de muitos. 
É imprescindível que todos avancem.
Pobre de quem se julga poderoso a ponto de prescindir do ser pequenino que está ao seu lado! 
O egoísmo de pontos de vista conduz às maiores perdas de tempo e de oportunidades. 
Mesmo que todos os preceitos religiosos se apagassem, as noções de solidariedade, compreensão, perdão e amor, deveriam permanecer como excelente roteiro.
Não se iludam! 
Não há pontes se o esforço conjunto não conduzir a todos. 
Ninguém atravessa sozinho!  
O percurso pode ser longo e difícil, mas é sempre acessível. 
Está dentro de cada homem o esperado encontro de paz e alegria. 
Jamais pensem em trevas, sofrimentos, desgastes inúteis, mas sonhem com o almejado júbilo, destinado a TODOS os filhos do Senhor.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

ANTIGAMENTE



Os homens têm o vezo de julgar que os tempos antigos eram melhores. 
Não apreciam devidamente o presente, o futuro lhes parece inseguro, incognoscível, e voltam aos momentos certos e felizes do passado. 
De lá colhem lembranças e nutrem o espírito já cansado de perambular pela trilha evolutiva.
Há pessoas que não vivem o agora e abrigam-se eternamente no que já foi, almejando resguardo para as suas mazelas. 
Não conseguem encarar a nitidez do presente, mas é deste que surgem novas lições, experiências preciosas e bênçãos inequívocas.
Há outros seres que jogam os seus anseios no futuro distante, e embora inconsistente, é o único lugar que os satisfaz: jogam todas as esperanças no que virá.
O instante que passa é o único real, e agarrar-se a ele são usufruir o melhor da vida. 
É dentro do presente que tudo pode acontecer. 
É no minuto em mãos que se podem abrir portas, levantar muros, ler ou escrever a página edificante, acariciar um enfermo, entoar o cântico de louvor e falar o que se nos vai à alma.
É só no exato agora que tudo acontece e cresce: vivenciar o momento presente é ter ilações magníficas. 
Quem se habitua a sentir o que se passa ‘agora’ é dono de uma felicidade e sabedoria consistente. 
Sabe o momento certo para  aprender, servir, melhorar, escrever,  falar, distrair-se, dormir.
Quem vive no passado é perdulário de oportunidades, e quem vive no futuro assemelha-se às nuvens que perpassam no espaço, sem consistência, esgarçam-se e diluem-se.
Se existe maneira correta de viver é usufruir     as bênçãos do agora.


ALTAMIRO

terça-feira, 26 de agosto de 2014

RESQUÍCIOS DE LUZ



Mesmo na mais profunda escuridão interior, sempre sobram na alma resquícios de luz. 
É a prova cabal da origem.
Ninguém está relegado ao ostracismo. 
Os cuidados celestes, em relação a cada ser, são indissolúveis. 
Mas, cabe a cada um permanecer, ou dissociar-se da origem.
O livre arbítrio é um recurso educativo importante. Ensina-se e depois se dá liberdade de escolha. 
Os seres são sempre fruto das suas opções, no decorrer das vidas.
Dirás que ninguém escolhe ser infeliz. 
Assim é.  
Só por pura imprevidência alguém tenta desatar os laços que sempre o prenderão a Deus. 
É seu destino evoluir.
Qual o melhor caminho? 
É aquele que te é ensinado pela consciência. Instintivamente já o conheces. 
A limpidez, a transparência e a equidade são necessárias para dar passos à frente no divino percurso.
Ninguém consegue esconder de si mesmo, e do espelho infinito, o que se passa no seu interior. 
Não há recantos escusos, ou indevassáveis. 
O que se é torna-se evidente, sobressai.
Se te dispões a seguir certas normas de conduta, elas serão o teu roteiro. 
É imprescindível ter um código mental. 
Se queres opulência e fausto notarás que essa é a principal causa de quedas futuras: uma opção marcada por tentações infindas.
Os resquícios de Luz que guardas dentro de ti pedem simplicidade de comportamento, e riquezas interiores apagadas na humildade: servir às causas justas e nobres, dedicar-se à constante observação de si mesmo e dos demais, ser o êmulo e o fâmulo ao mesmo tempo, gastar-se em construir, e construir-se na paz.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

De par em par



É preciso abrir largamente as portas do espírito para receber com facilidade as inspirações, influências e bênçãos do além. 
Dirão alguns que abrindo as comportas, tanto podem entrar vibrações elevadas, como deletérias. 
A questão é programar as entradas.
Sem vigilância, muitos recebem o que não desejam, pois abrigam pensamentos perniciosos. 
Entanto, quem se põe em guarda, jamais deixa o seu espírito à deriva no mar encapelado da vida. 
Conhece os perigos e não exorta as más ideias que podem atrai-lo, sem nenhum proveito: pessimismo, depressão, cólera, ambições desmedidas...
Jesus, há dois mil anos, já conhecia os pontos fracos dos homens e recomendou o vigiar e orar. 
Com esses dois comportamentos é possível salvaguardar-se das forças negativas.
Quem é precavido e previdente, por temer o mal, resguarda-se. 
Pouco a pouco, a prudência se transforma em mais virtude, e então o existir desliza mansamente.
É claro que sem as medidas cristãs o barco torna-se frágil e pode submergir. 
O trabalho deve associar-se a elas. 
Mãos ociosas e mente vazia são grandes atrativos para as forças do mal.
Quem tem o entendimento indolente, abriga todos os malefícios. 
A mente sem resguardo é presa fácil de agentes escurecidos, de baixo teor vibratório.

Completando: orar, vigiar e trabalhar são imperativos dos que desejam viver em paz consigo mesmos, e com o mundo circundante.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Recrudescer



Quando se imagina que as paixões amenizaram a sua influência, elas recrudescem com todo viço. 
Não nos cabe falar dos malefícios que elas provocam, em termos comportamentais, mas são realmente muito nocivas, e séculos se impõem para extirpá-las de vez.
As paixões são comportamentos instintivos, motivados por defeitos ainda vivos, em quase toda a humanidade. Ganas de poder, egoísmo, crueldade mental, egolatria ao eu, ânsias desmedidas de posse, erros de julgamento e outras discrepâncias, provocam a degeneração dos costumes.
É evidente que há degraus evolutivos mais altos e mais baixos e é preciso respeitar o posicionamento de cada um.  
O difícil é conviver em harmonia num mundo ainda imerso em grandes sombras. 
Mas é da sabedoria da convivência que se resgatam muitas dívidas, e a alma ascende.
Como seria o trato diário de um Anchieta no meio da selvageria? 
Teria ele paciência e altruísmo para conviver de modo cristão? 
Por certo, sim. 
A luz sempre vence o poder da escuridão.
É da assimilação dos preceitos de Cristo, na conduta diária, que se pode afirmar que o espírito aprendeu, e ensina com o exemplo. 
Este é assimilado por osmose, sem imposições.
Os ditadores de regras de conduta, muitas vezes encabeçados por leis dos homens, atingem os objetivos através de imposições que amedrontam e punem. 
Mas, a mudança real de conduta só se consegue através do exemplo vivido.  
Só este é capaz de demover falhas, e fazer refletir.

É na humildade da conduta exemplar que o mundo prescinde da violência, e se torna o campo ameno de abençoadas semeaduras.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

INTEMPESTIVAMENTE




Jesus foi o exemplo do homem contido e absorto em sua tarefa. 
Tudo nele foi medido, sem excessos, ou faltas. 
Ensinou com docilidade, sem nenhuma prepotência, e sem nada exigir. 
Foi o protótipo do espírito sublimado.
O panorama atual do globo é quase inacreditável. Tirante as poucas exceções, há o derramar do mundo interno em expressões de superioridade doentia, todos querendo impor de alguma forma. 
Acredita-se que a bondade é sinal expresso de fraqueza e inferioridade.
Os povos desejam comandar, e impor os seus princípios nem sempre acertados. 
O poder ainda impera e subjuga, causando uma vasta extensão de sofrimentos às criaturas. 
Bandos de pessoas, como de aves, imigram em pensamentos para os oásis mentais entressonhados.
O sofrimento e a insatisfação, a pressa e os abatimentos físicos e morais tomam conta das pessoas. 
Há muito poucos rostos felizes.
Diz-se que tudo isso é normal nos mundos de regeneração. 
Sem acicates, poucos conseguem superar as suas fraquezas, e evoluir. 
E os pensadores, abismados em suas cogitações se perguntam: será mesmo necessário sofrer para atingir a paz? 
Será que dentro das alegrias não haveria também a evolução do espírito?
As respostas estão dentro de cada homem. 
Alguns acham que os sofrimentos só causam revoltas. Outros pensam que as feridas emocionais fazem com que o homem se despeça da sua animalidade e ingresse no mundo de eternas bênçãos. 
São pontos de vista.
Na verdade, tanto o bem-estar como a preocupação constante a nada levam. 
É no sábio intercalar de luz e sombra que se consegue um dia atingir a plenitude.