terça-feira, 21 de outubro de 2014

ANTECEDER


Os dias antecedem os dias: tudo é uma infinita sequência e continuidade. 
Ao arrebol antecede-se a noite, e o tempo se desdobra trazendo acontecimentos felizes ou turbulentos. 
Cabe acolher a todos, com determinação.
Na dobras da História nota-se que a lei da causa e efeito é uma realidade. 
Ao céu carregado de eletricidade, sucede-se a chuva torrencial. 
A mente obscura só se abre à custa de imensa perquirição, embrulhada em dores diversas. 
Os atos de ódio e intolerância são abolidos pela gradual solidariedade.
Anteceder e suceder fazem parte de todos os projetos. Aquele que não se curva à verdade é atirado em experiência redentora. 
Há um contínuo emergir do que está sazonando por dentro.
O que colhes a cada dia, é resultado de prévio plantio. Não há como fugir à perfeita lei divina que tudo conserta e põe no lugar. 
A felicidade é antecedida de merecimento: ideias claras do que se deseja harmonia interior e conformação com os fatos.
Tudo que é dissonante causa turbulência. 
O mecanismo universal age nos mínimos detalhes. Quando o homem se conscientizar de que é o produtor do próprio destino, há de disciplinar-se e aparar arestas.
No plano físico há muitas alegrias passageiras e sem significado. 
Os que se encantam por elas perdem tempo precioso em ilusões que se desvanecem. 
É imperioso acordar para os bens etéreos, impalpáveis ainda, e que são os únicos a proporcionar estabilidade e satisfação duradoura.

Tudo passa. 
O íntimo se renova. 
Urge acordar para o plantio do imperecível.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

DESIDERATA



                No meio do barulho e da agitação, procure caminhar tranquilo, pensando na paz que pode encontrar no silêncio. Procure viver em harmonia com as pessoas que estão ao seu redor, sem abrir mão da sua verdade. Exponha sua verdade clara e mansamente sem deixar de  escutar a verdade dos outros. Eles também têm seus próprios pensamentos. Evite pessoas agitadas: eles afligem o espírito. Não se compare aos demais principalmente os olhando de maneira superior ou inferiores a você. Isso o tornará superficial.
         Viva intensamente os seus ideais e o que você conseguiu realizar. Mantenha o interesse no seu trabalho, por mais humilde que seja; ele é um verdadeiro tesouro na contínua mudança dos tempos.
         Seja prudente em tudo o que fizer, porque o mundo está cheio de armadilhas. Mas não fique cego para o bem que sempre existe. Há muita gente lutando por nobres causas. Em toda parte e a vida está cheia de heroísmo. Seja você mesmo. Sobretudo não simule afeição e não transforme o amor numa brincadeira, pois no meio de tanta aridez ele é perene como a relva. Aceite com carinho o conselho dos mais velhos e seja compreensivo com os impulsos inovadores da juventude. Cultive a forma do espírito e você estará preparado para enfrentar as surpresas da sorte adversa. Não se desespere com perigos imaginários: muitos temores têm sua origem no cansaço e na solidão. Ao lado de uma sadia disciplina, conserve sua bondade; compreenda e aceite as limitações, mas sobre tudo agradeça à Deus por sua vida. Tudo tem uma razão maior para estar como está.
         Você é filho do universo, irmão das estrelas e árvores, você merece estar aqui e mesmo se você não possa perceber, a terra e o universo vão cumprindo o seu destino.
         Procure pois estar em paz com Deus, seja qual for o nome que você lhe der. No meio dos seus trabalhos e aspirações, na fatigante jornada pela vida, conserve, no mais profundo do seu ser, a harmonia e a paz. Acima de toda mesquinhez, falsidade e desengano, o mundo ainda é bonito.
         Caminhe com cuidado, faça tudo para ser feliz e partilhe com os outros sua felicidade.


(TEXTO ENCONTRADO NO INTERIOR DE UMA ANTIGA IGREJA, EM BALTIMORE - 1962)

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

REBELIÕES




Quando o ambiente é convulsionado por ideias díspares ou turvas, há rebeliões. 
Algo está em desmesura, ou mal explicado e intolerante e se rebela, no íntimo ou no mundo circundante.
E fica sempre a dúvida: essa desarmonia leva a algum benefício? 
Podemos afirmar que no estado evolutivo atual, ainda é necessário indignar-se. 
Nem sempre as manifestações populares conseguem os objetivos, mas movem a opinião pública e os governos.
Nos mundos superiores, as manifestações são a nível intelectual e vibratório. 
Quando se pretendem mudanças, todos se predispõem a encontrar soluções no íntimo, e a achar os claros meios de melhoria.
 No estágio atual do planeta Terra, não se pode esperar algo melhor do que costuma acontecer. 
Dilapidar e usar de violência é o meio comum. 
Nesses casos, instala-se o medo, a revolta, as tristezas e mortes. 
Desse lixo mental, às vezes brotam sementes de paz. Mas, é improvável que isso aconteça de imediato; o tempo se escoa e as vidas materiais consomem-se em expectativas muitas vezes irrealizáveis.
Apesar de todo otimismo e esperança de alguns, o panorama é ainda sombrio. 
Supõe-se que ao despertar um novo dia, haja mudanças promissoras.
Dizer que a paz nasce da paz ainda é utopia no plano a regurgitar violência, prepotência e egoísmo desenfreado.  
Infelizmente, a paz ainda nasce no lodo das injustiças e destemperos. 
Ainda é preciso sofrer para adentrar o sabor da luz. Mas, estejam certos de que as rebeliões terminam, e o progresso  ressurge. 
O bem sempre vence.
Há antigos sinais de rebeliões em todos os pontos do globo. 
O ideal seria que os homens se insubordinassem contra os próprios defeitos, e fizessem uma revolta geral contra o seu atual estado evolutivo; que não mais se contentassem em rastejar, mas que concebessem as alturas que podem atingir.
A face do planeta irá também transformar-se, no momento em que houver revoluções interiores. Não mais existirão detritos mentais impedindo a paz e a perfeição cósmica. 
As consequências da limpeza interna são incalculáveis. Sem prepotência, quebra da harmonia, imposições e egoísmo, o ambiente se tornará límpido, e habitável por espíritos lúcidos. Por enquanto, há a mescla de tipos nos mais diversos degraus de evolução, e os vários tônus vibratórios produzem desordens em todos os sentidos.
De que valem as vozes exaltadas, os gestos de insatisfação e as vibrações revoltadas no ar, se no íntimo ainda não há a necessária paz? 
A evolução só se efetua de dentro para fora. 
Não adianta conclamar a harmonia por meios externos. Só quando a melhoria íntima se efetuar é que haverá abundância de bênçãos.
Os habitantes do planeta Terra só serão aquinhoados com a esperada ventura, no momento em que a profilaxia interior conseguir debelar moléstias internas.

Não se consegue a presença de diretrizes materiais perfeitas, e governos sábios, enquanto no interior de cada homem houver dilapidação, e o despreocupar-se com os valores maiores: um é consequência do outro. 
As rebeliões íntimas geram aquelas do exterior, e não resolvem problemas.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

ONÍRICO



Há muitos sonhos que são apenas antevisão do futuro, premonições e avisos. 
Não são trabalho do inconsciente, mas dos amigos espirituais para que a pessoa se prepare devidamente para o que há de acontecer.
A existência não passa de entrelaçar de influências. Ninguém está sozinho ou abandonado. 
A ajuda é mútua e sempre resulta em bênçãos. 
Todos os grandes fatos da História foram delineados na mente dos que dela iriam participar. 
Quando os avisos não acontecem por sonhos, chegam através da leitura de uma página, ou pela palavra de alguém.
É incontestável que os acontecimentos importantes já estão determinados previamente. 
Aqueles que têm sensibilidade apurada conseguem pressentir o que vai acontecer, embora nem sempre acreditem nos próprios olhos. 
O fato é que todos estão imersos num mundo de energias que ainda desconhecem.
Há perfeita ligação entre o mundo físico e o mundo espiritual. 
Todos os pensamentos têm força atrativa ou repulsiva: fabricam destino. 
É por isso que deve acontecer a disciplina mental. Muitas pessoas estão construindo seu destino adverso, sem perceber. 
Estão imersas no seu próprio mundo, atônitas e sem saber como agir, como se forças estranhas a subjugassem. 
Seria tão fácil a conscientização dos fatos para saber com clareza a saída do pântano onde se afundam. 
A verdade liberta e ensina os meios para as grandes soluções. 
Basta abrir os olhos e seguir em frente.

ALTAMIRO 

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

EXPIAR

 
Sabe-se que este plano terráqueo é ainda difícil, de expiação de faltas, e expurgar de dívidas. 
Nele se está apenas para progredir e resgatar o que não é digno,
 Dentro do espírito.
São poucos os que manifestam na fisionomia a serenidade esperada e conforme. 
Quase todos os habitantes denotam pressa, preocupação, dor e ansiedade internas.
Seria necessária uma limpeza total através da experiência de viver num corpo de carne. 
Mas, a própria vida, com as ânsias de procriação, cuidados familiares, regras e imposições diversas exige muito de cada ser humano.
A necessidade de sobreviver, lutar, e vencer dificuldades às vezes mina o estoque de energias. 
Mas ninguém pode dar-se por vencido. 
É preciso continuar até que o curso termine.
Há experiências belas e felizes, no meio da consternação. 
E quando elas não existem, o homem procura meios de iludir-se com falsas fontes de felicidade. 
Porém, ao fim e ao cabo, percebe que não auferiu nada, está de mãos vazias e coração desalentado.
As experiências que realmente preenchem os anseios da alma são aquelas do cumprimento do dever, da doação, renovação, estudo, e entrega da vida a altos objetivos. Toda vez que alguém se entrega à busca de prazeres vazios, acaba inútil e amargamente a sua experiência.
O tempo é o bem que mais depressa se esgota. 
Não há como segurá-lo nas ávidas mãos senão aproveitando-o no burilamento próprio e na sua entrega ao bem dos demais.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

REPATRIAR



Mesmo estando muito bem no exílio terrestre, chega o momento de voltar à verdadeira pátria. 
Não há lugares fixos e eternos. 
Em cada momento evolutivo é preciso estar em algum ponto que se coadune com a substância íntima da alma.
É por esse motivo que a instabilidade ronda a mente de todos os homens. 
Como esta vive em contínua transformação, assim também é o ambiente em que se instala. 
Esta é a suprema lição do desapego.
Ninguém pode prender junto a si objetos, pertences, ou outros seres. 
Isso não significa insegurança dos desígnios superiores, mas sabedoria. 
É abrindo mão de tudo, que as criaturas se tornam possuidoras de todos os bens estáveis e eternos.
Até o interior de cada pessoa muda com o decorrer das eras. 
Não é possível apegar-se nem aos próprios pontos de vista. 
Na sucessão dos eternos dias, os panoramas interiores se transformam.
A noção egoística de pertencer a um grupo, ou a uma pátria, vai se dilatando até a concepção da largura universal. 
Os afetos estreitos se dilatam e expandem até atingir as dimensões inimagináveis do altruísmo. 
Ninguém se deve julgar possuidor de nada que não seja de real valor eterno.
O desapego faz com que seja fácil mudar as concepções de pátria e família. 
Rompendo os limites acanhados, o homem se torna cidadão universal.
Estas ideias talvez sejam amplas demais para quem ainda está acorrentado a falsas noções e tabus. 
Mas, é necessário que novas concepções se estabeleçam. Em dado momento, o homem livre se torna capaz de compreender o Criador.

terça-feira, 7 de outubro de 2014

TEMAS-TABUS



Certos temas ainda são tabus, e há medianeiros que se negam a servir de pontes para eles.  
Tudo aquilo que indique baixaria espiritual, ou atividades e atitudes próprias da carne, são rechaçadas como indignas.
Entretanto, não existem ideias sujas, elas estão apenas no íntimo das pessoas.   
A Deus não importam atitudes que ainda permeiam a imperfeição do homem material.
Na verdade até o sexo, que é tema-tabu, é algo santificado e nobre quando impregnado de amor. 
Se tal não fosse, não haveria a propagação da espécie. Há outros assuntos realmente indignos e que, no entanto fazem parte do cotidiano dos homens: o egoísmo é um deles, e entremeia o íntimo da quase totalidade.
Digamos que o egoísmo, entre animais, é algo necessário à sobrevivência. 
Nos seres primitivos era lícito matar para comer. 
Hoje, algumas confrarias não permitem nem mesmo o abate de seres inferiores.
Será certo fechar-se dentro de si e ignorar as necessidades alheias? 
Não é esta a atitude mais comum à maioria? 
É correto usurpar os bens do próximo, em quantidades pequenas, ou maiores? 
É válido impor ideias e sentir-se o senhor da verdade?
Há muitos sentimentos depravados que vivem no íntimo dos mortais, de forma corriqueira. 
É preciso saná-los, e santificar as ações.
Por que o tema “fraternidade” ainda é tabu nas entranhas do homem? 
É porque poucos se predispõem a vivê-lo de forma realmente despojada. 
É por aí que devem começar todas as reformas íntimas.